Facebook Youtube WhattApp73 99195-4225

segunda-feira, 1 de junho de 2020

Bolsonaro vê sua imagem derreter, e mundo passa a ter medo do Brasil

Bolsonaro vê sua imagem derreter, e mundo passa a ter medo do Brasil

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O americano Vincent Bevins, ex-correspondente do Los Angeles Times no Brasil, estava em São Paulo de passagem quando os números da pandemia explodiram.Iria começar uma turnê de promoção de seu livro sobre ditaduras, "The Jakarta Method" (PublicAffairs), mas tudo parou. "Era para estar viajando pelo mundo", lamenta, confinado na praça da República. Começou então algo inusitado. "Familiares nos EUA e amigos meus na Ásia", onde esteve nos últimos anos como correspondente, "passaram a entrar em contato, perguntando se estou seguro, se o presidente está me ameaçando". O ex-ministro Rubens Ricupero descreve a imagem do Brasil no exterior, hoje, como "o lugar de que as pessoas têm medo". Ou ainda, em sua primeira resposta ao ser questionado sobre o tema: "Seria o caso de perguntar 'que imagem?'. Como coisa positiva, acabou". Seu colega de governo Itamar Franco, o ex-chanceler Celso Amorim, vai pela mesma linha. "Não há mais imagem. É a caricatura do Brasil no exterior. Só que a caricatura foi desenhada aqui dentro. E tem um certo rosto."É o rosto do presidente Jair Bolsonaro. Para Ricupero, "já era ruim com o início do governo, mas com a pandemia isso se multiplicou, é o tempo todo, em todo lugar".Ele conta ter sido procurado na quinta-feira (28) por uma publicação de análise política de Bruxelas e na sexta (29) para falar a uma rádio de Buenos Aires, com temas como os ataques ao meio ambiente e as ameaças à democracia. "Em resumo, não sobrou nada do que o Brasil tinha antes, se nós compararmos com aquela famosa capa do Cristo Redentor decolando no Economist, em 2009." Só ficou "o grau de atenção internacional ao Brasil, que se elevou muito", mas hoje com sinal contrário.