Facebook Youtube WhattApp73 99195-4225

sábado, 27 de junho de 2020

Novo ministro da Educação teria cometido plágio em dissertação de mestrado na FGV


A dissertação de mestrado que o novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli, apresentou à Fundação Getulio Vargas (FGV) em 2008 tem trechos idênticos aos de um relatório da CVM do mesmo ano. O relatório, porém, não foi citado por Decotelli nem sequer consta da bibliografia, o que indicaria uma prática de plágio. O professor Thomas Conti divulgou a comparação entre os documentos em seu perfil no Twitter na madrugada deste sábado (27).De acordo com o site O Antagonista, o parecer da CVM data de fevereiro de 2008. É sobre o Banrisul, objeto da dissertação de Decotelli, Banrisul: do Proes ao IPO Com Governança Corporativa. O texto está disponível no site do banco. Um dos pontos destacados pela publicação está na página 27 do relatório da CVM: “[a] abrangência dos pontos de atendimento e a ampla base de clientes são vantagens agregadas a um diferencial exclusivo: o Banricompras, o maior cartão de marca própria do Brasil”. Decotelli registrou no mestrado: “[a] abrangência dos pontos de atendimento e a ampla base de clientes são vantagens agregadas a um diferencial exclusivo: o Banricompras, o maior cartão de marca própria da América Latina”. O relatório da CVM também diz: “[m]ais forte e rentável, com uma gestão adequada e transparente, o Banrisul segue a passos firmes no propósito de ganhar posições de destaque no cenário nacional”. Decotelli registrou texto bem parecido: “[m]ais forte e rentável, com uma gestão adequada e transparente, o BANRISUL segue no propósito de ganhar posições de destaque no cenário econômico-financeiro nacional”. A dissertação de mestrado do novo ministro também tem trechos idênticos aos do artigo Mudança e estratégia nas organizações: perspectivas cognitiva e institucional, publicado no livro Administração contemporânea: perspectivas estratégicas em 1999. O novo minitro da Educação se envolveu primeiramente em uma polêmica a respeito de seu título de doutor. Na noite desta sexta-feira (26), o reitor da Universidade Nacional de Rosario, Franco Bartolacci, afirmou que Decotelli não concluiu o doutorado em Administração pela instituição argentina — diferentemente do que consta do currículo do novo ministro disponível na plataforma Lattes do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). De acordo com Bartolacci, Decotelli teve a tese reprovada. Após a repercussão do caso, Decotelli alterou o currículo disponível na plataforma Lattes.O campo "Título" foi preenchido com "Créditos concluídos". E, no campo "Orientador", passou a ser listado: "Sem defesa de tese".