Facebook Youtube WhattApp73 99195-4225

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

Rio de Janeiro tem cinco casos suspeitos do novo coronavírus


O estado do Rio de Janeiro investiga cinco casos suspeitos do novo coronavírus. A Secretaria de Estado de Saúde (SES) confirmou que foram identificados os sintomas compatíveis com a doença em dois pacientes na cidade do Rio, dois em Niterói, na região metropolitana, e um em Nova Iguaçu, na baixada fluminense. Os dados são referentes a esta quarta-feira (26), fechados às 16h, e a atualização é feita todos os dias. Segundo a secretaria, o boletim informativo do Ministério da Saúde, divulgado diariamente às 16h, é fechado com informações repassadas até as 12 horas pelos estados. Segundo a secretaria a Agência Brasil, ainda não há nenhum caso de coronavírus confirmado no estado. “A população não precisa se alarmar, mas deve continuar a ter cuidados básicos de prevenção ao contágio”, disse nota enviada pela SES, reiterando que os protocolos de atendimento padronizados pelo Ministério estão sendo seguidos, bem como o plano de contingência da secretaria.

PLANO DE CONTIGÊNCIA
A Secretaria de Saúde divulgou nesta quarta (26) o plano de contingência para o novo coronavírus, elaborado após a realização de um workshop no dia 17. Participaram representantes da SES, das secretarias municipais de saúde dos 92 municípios do estado, de hospitais universitários, hospitais militares e hospitais privados. No plano, disponível no site da secretaria, é destacado que a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou como elevado o risco do surto de coronavírus, e que a taxa de mortalidade, em janeiro, estava em torno de 2% dos casos. Os objetivos das medidas adotadas são limitar a transmissão humano a humano; identificar, isolar e cuidar dos pacientes o mais rápido possível; e divulgar informações críticas sobre riscos à sociedade, combatendo a desinformação. A organização da resposta ao contágio está dividida em quatro etapas, iniciando em notificação de casos. Os níveis seguintes de ação serão acionados em caso de necessidade, caso o surto venha a se desenvolver dentro do estado e de acordo com o nível de transmissão do coronavírus entre pessoas.