Facebook Instagram Youtube WhattApp73 99119-1758

domingo, 24 de março de 2019

Itagibá: Alunos do CEDA realizam Projeto de Intervenção social ( I Sarau Cultural)


Realizou-se no dia 21/03, no Colégio Estadual Dulce Almeida, um projeto de intervenção social em forma de Sarau com o tema: Corpo meu, mando eu!  O evento foi realizado pelos estudantes da Educação de Jovens e Adultos (EJA), capitaneados pelo professores do noturno, o estudante Yan Oliveira  e estudantes do VII A. O projeto teve como objetivo jogar luz sobre a problemática das diversas formas de violência na qual milhares de mulheres são alvos diariamente no nosso país como: assédio verbal, abusos físico e emocionais, agressões sexuais, dentre outras. Violências essas que legitimadas pelo silêncio da vítima e daqueles que estão em seu entorno, acabam levando muito dessas mulheres a óbito.


A plateia foi composta pelos próprios estudantes, professores e funcionários do colégio, tendo como mestra-de-cerimônia a estudante Suely  da turma VII A. Os presentes foram agraciados com um coral feminino da turma   Eixo VII. A estudante Eliane  declamou a poesia “Mulher tu não és igual” de Bráulio Bessa.  Houve uma primeira apresentação teatral da turma VII A que relatava a vida de uma mulher presa em um casamento abusivo com um parceiro agressivo e violento, mostrando as diversas formas de violência diária a que era submetida. 


O projeto inovou ao tratar de forma sensível e delicada sobre a questão da violência sobre a mulher trans, que é tão vítima do machismo estrutural na nossa sociedade como as mulheres numa linda apresentação da estudante Aicha emocionando a todos os presentes lembrando da morte da travesti Dandara.


A palestrante Aryana Rios falou de como o “status quo” estipula determinados padrões sociais, em que muitas vezes servimos, inclusive de forma inconsciente, como ferramentas na reprodução desses modelos sociais como o machismo, reproduzindo preconceitos e diferentes violências simbólicas sobre o outro legitimando assim a manutenção desse sistema excludente e injustoque mantém o país dividido em castas com alguns poucos sendo privilegiados e muitos alijados de seus direitos fundamentais mais básicos.

Posteriormente houve a apresentação da peça teatral , realizada pelos estudantes da turma 3° A do vespertino mostrando diversas agressões por quais as mulheres passam em diversos locais públicos como salas de aula, transportes públicos, ambientes de trabalho etc. O evento sensibilizou a todos os presentes e com certeza será o primeiro de muitos na instituição.